terça-feira, 5 de maio de 2009

Toninho = Diga NÃO aos sofrimentos gratuitos

 

De: Alamar Régis Carvalho

Para: Antonio Carlos Medeiros

Assunto: Diga NÃO aos sofrimentos gratuitos

Toninho: Dá pena ver pessoas viverem praticamente algemadas e reféns dos próprios parentes e familiares, sem saberem o que fazer e, na maioria das vezes, com medo de tomar alguma providência conta aqueles que tanto lhe torturam e lhe fazem sofrer.

 

Cuidado com GPS barato demais

É uma tecnologia maravilhosa, fantástica, que quebra um galhão da gente. Só que os preços não baixaram, ainda, porque não se tornou um equipamento tão popular o quanto vai ser.

Você vai encontrar opções BARATINHAS, por aí, já que os camelôs e algumas lojas sem compromissos com qualidade, oferecem verdadeiras "tentações" pra gente e ficamos sem ter referência pra saber se o produto presta ou não presta.

Quais seriam os problemas causados pelos GPS baratinhos?

Indicações erradas, demora de respostas no trajeto que você faz, informação, tipo  "Dobre a próxima rua à direita" somente quando você já está em cima da rua, ou até fazendo a curva. De repente, você se vê obrigado a mudar o trajeto traçado, por causa de uma feira livre, que encontrou no caminho, uma rua interditada, uma passeata... enfim, um motivo qualquer. O bom GPS refaz o percurso, em função de onde você está, imediatamente, mas os vagabundos demoram um tempão, as vezes até sendo necessário você parar o carro, pra ficar esperando.  Enfim, faz uma confusão danada.
 

Qual é a operadora de telefone das pessoas conhecidas?

Antigamente a gente anotava, apenas, os números dos telefones das pessoas amigas e conhecidas em nossas agendas, porque tanto fazia ligar para uma como para outra, que os preços dos pulsos eram os mesmos. Só variavam quando as ligações eram feitas à noite ou aos finais de semana.

Agora, com esse modismo que permite você falar de graça e a vontade, se ligar para telefones FIXOS da mesma operadora que você usa, vale sempre a pena perguntar às pessoas qual é a operadora que ela usa, para poder ter esta informação, em sua agenda, e saber como ligar, quando ligar e que tempo você pode passar batendo papo na linha. Fique sabendo que quando você liga para operadoras diferentes, mesmo de fixo para fixo, os preços hoje estão salgados, bem mais caros que antigamente, daí a importância de observar esta dica que lhe dou.

Eu, por exemplo, não tenho qualquer preocupação com telefone, porque uso a DISK A VONTADE, há três anos, inclusive o celular dela, podendo ligar DDD e até DDI, para o exterior, falando a vontade com meus parentes, amigos e conhecidos, sem a menor preocupação com conta no final do mês. Mas tem muita gente que não sabe disto. 

 

APENAS PARA O SEU CONHECIMENTO

Se você vai fazer "check in", em qualquer aeroporto, na empresa TAM, e, de repente, tem algum excessozinho de bagagem, ela não dispensará, nunca, o seu pagamento, mesmo que antes ou depois de você, um outro passageiro despache bagagem com peso a menos. Você é obrigado a pagar. Ela não tem a menor consideração para com os seus passageiros, ao contrário da VARIG, TRANSBRASIL e CRUZEIRO, há alguns anos passados, que também cobravam, mas sabiam utilizar o bom senso, em várias situações. A ordem da TAM é tolerância zero, em relação aos passageiros.

Mas é muito comum, também, a mesma TAM, precisar do passageiro, quando embarcado, para ajudá-la a resolver problemas que deveriam ser resolvidos por ela e que seriam de responsabilidade dela. Ela costuma, também, vir muito "melosa", pedir compreensão dos passageiros, quando pratica OVERBOOK, aquela prática sem vergonha de vender passagens a mais, e sempre que que todo mundo colabore com ela. 

Fica aí, então, a informação, para que você decida como agir, em relação a essa empresa, quando estiver usando os seus serviços.

 


Receptor de satélite digital

É uma maravilha ter um receptor de satélite digital em sua casa. Ainda mais quando você liga com mais de uma antena, sintonizando em mais de um satélite. Existem canais de televisão, DE GRAÇA, que a maioria das pessoas não sabem. E tem uma coisa: Não tem nada a ver com pirataria ou coisa ilegal.

Imagine um baiano que mora em São Paulo, por exemplo, poder assistir canais de televisão da Bahia, em São Paulo.  Inclusive, a partir da próxima semana, vou até começar a vender, por preços bem em conta, para vários amigos que me pedem esse tipo de tecnologia. Pode ter certeza de que os vizinhos e amigos, quando verem em sua casa, vão querer também.
 

Diga não aos sofrimentos gratuitos

Meu amigo e minha amiga:

Certamente este artigo não servirá diretamente a você, embora eu fale em "você" o tempo todo. Mas tenho certeza, absoluta, de que você conhece alguém, talvez um ente muito querido, que esteja inserido no universo que enfoco aqui e que esteja precisando muito ler estas sugestões.

Escrevi a matéria "Masoquismo não evolui ninguém", teve e continua tendo uma repercussão enorme, muitas pessoas, que eu não conhecia, mas que receberam por retransmissão de algum amigo, me mandaram e-mails pedindo para acrescentar seus nomes em minha agenda, e tive uma grande alegria em verificar que a abordagem agradou a muita gente, vários amigos tiveram, inclusive a coragem de dizer: "Alamar, a carapuça serviu pra mim mesmo", uma amiga falou: "O meu marido é essa coisa que você descreveu em seu artigo, eu sempre fui uma idiota e o seu artigo me deu coragem".

Mas teve gente, também, que questionou-me, usando argumentos tipo "compreensão", "caridade", "tolerância", "será que eu não estou sendo egoísta?" e essas coisas.

É por isto que resolvi escrever, imediatamente, este novo artigo, em razão da confusão que algumas pessoas fazem acerca desses valores que, de fato, todos nós devemos ter, sem o menor critério de dosagem das coisas.

Vale deixar claro que compreensão, caridade, tolerância, amor, indulgência, etc... são valores especiais que toda pessoa deve ter, independentemente de religião, e que egoísmo é algo que deve ser combatido em nós mesmos.

Eu havia escrito um artigo, há algum tempo, acerca dos níveis de visões das pessoas. Eu falava sobre as pessoas "oito ou oitenta", aquelas de mente estreita, do tipo que depois do número 1 só conseguem visualizar o 2, porque não têm inteligência nem neurônios suficientes para enxergar os decimais, os centesimais, os milesimais... etc.

Dei aquele exemplo, quando em certa ocasião que questionei um determinado grupo sobre o porquê deles pintarem as paredes do ambiente sempre de branco e de forrarem a mesa necessariamente com toalhas brancas, quando alguém, em elevado coeficiente de imbecilidade, reagiu dizendo que eu queria que as paredes fossem pintadas de preto e que eu queria, também, que as mesas fossem forradas com toalhas pretas. Esse tipo de gente existe, aos milhões, por este mundo afora. São pessoas, cujas visões são tão estreitas, a deficiência de neurônios é tão grande, que se expressam sempre dessa forma. Creio que você conheça muita gente assim.

Mas já que estou sempre escrevendo para um nível de público mais inteligente, pessoas que têm a competência de saber que entre a cor branca a cor preta existe também o verde (em diversas tonalidades), o azul (em diversas tonalidades), o amarelo (também em diversas tonalidades), o marron, o beje, cinza, lilás... e alguns milhões de tonalidades de cores, coisa que é impossível ser enxergada pelos limitados mentais, quero aqui colocar mais alguns argumentos em cima do assunto da matéria "Masoquismo não evolui ninguém".

Relembremos outro exemplo:

O café que a gente toma, todos os dias, tem uma certa dosagem de açúcar, para ficar dentro do tolerável, não é verdade? Se a gente colocar uma colher enorme, (daquelas de tirar arroz da panela), cheia de açúcar numa xicrinha de café, ele vai ficar intragável, doce demais, enjoativo e ninguém agüenta. Por outro lado, se colocar apenas meia colherzinha de chá, uma pitadinha só de açúcar, também, estará fora do sabor ideal que é o comum. Tem que haver a dosagem, que não admite açúcar demais nem açúcar de menos. Não estou, aqui, levando em consideração as exceções das pessoas que gostam de café sem açúcar.

Se nós temos muito amor pelos animais (há pessoas que não tem nenhum), e somos defensores da prática da tolerância e da compreensão, por causa disso nós vamos ter tolerância com um cachorro pitbull, bravo, como esse da foto, que venha a nos morder na rua?

"Morde a vontade, cachorrinho, que eu amo os animais e tenho toda tolerância do mundo com você. Não se preocupe, que depois eu tomo vacina, eu faço curativos, sem problema nenhum. Pode enfiar o seu dente na minha perna, onde você quiser, que eu sou uma pessoa compreensiva".

Se você está nas ruas do centro comercial da sua cidade, onde geralmente tem muitos mendigos. De repente um deles, todo sujo, fedorento, bêbado, fedendo a cachaça e cigarro ruim lhe pega de surpresa, lhe abraça e começa a lhe encher a cara de beijos, com aquela boba babada e fedorenta, você vai deixar que a cena permaneça, até ele resolver desgarrar-se de você, sob a alegação de que ele, coitadinho, é um simples mendigo, carente, que sofre pelo abandono imposto pela própria sociedade e pelos governantes, enche-se de piedade, caridade, tolerância em muito amor por ele, sob a argumentação de que Jesus amou aos mais necessitados?

E se você for mulher e o infeliz resolver beijar a sua boca, ainda mais optando pelo conhecido beijo de língua? Detalhe: O perfil do mendigo é esse da foto aí ao lado.

É claro que você não vai deixar, você vai empurrá-lo, vai fazer um esforço para se livrar, vai pedir ajuda das pessoas, caso não consiga de se livrar, vai se aborrecer e até vai ter um certo nojo. Vai querer chegar em casa logo, tirar aquela roupa, tomar um banho e passar alguma colônia. É ou não é verdade? Por acaso, eu estou exagerando?

É preciso que as pessoas, para alcançarem algum tipo de tranqüilidade, abram mão da hipocrisia. É preciso que a sociedade pare com certas frescuras.

"Faça o bem, sem olhar a quem", é uma orientação muito bonita, que alguns confundem com "dê esmolas, sem olhar a quem". Nada tem uma coisa a ver com a outra.

Quando nós damos dinheiro a uma criança que nos aborda no sinal de trânsito, achando que estamos sendo bonzinhos, praticando a Caridade, na verdade estamos praticando um tremendo ato de irresponsabilidade, fazendo crescer um vício que cresce cada vez mais nas cidades. Não é possível que não saibamos, ainda, que aquele dinheiro não vai promover qualquer benefício àquela criança, que vai servir para o pai ou a mãe tomarem cachaça, comprar cigarros e alimentar vícios. E eu vou contribuir com isso? Vou olhar, sim, a quem eu dou o meu dinheiro, se é que estou disposto a praticar o belíssimo costume da Caridade, com responsabilidade.

Se quero ajudar, e posso ajudar, aos necessitados, a primeira coisa que devo fazer é identificar uma casa de assistência aos mendigos, aos abandonados e necessitados, DE OLHOS BEM ABERTOS, pra ver se a casa é idônea mesmo, e se não tem gente se aproveitando dos recursos que são destinados à ela. Digo isto porque existe, sim, e como existe. Eu mesmo tenho uma relação e sei de caso de instituição, enorme, onde tem gente que leva grandes vantagens e vive um vidão, às custas de super-salários, inclusive marido e mulher... bom, deixe isto pra lá.

Para a prática da Caridade, da Compreensão e da Tolerância tem que haver DOSAGEM, sim.

Quero responder a algumas pessoas, que me questionaram sobre se a minha proposta não seria uma proposta egoísta, principalmente quando falei que mulher nenhuma deve tolerar maridos bêbados, agressivos e violentos:

Egoísmo é quando você pensa em você, preocupa-se com você, quer sempre beneficiar A VOCÊ, procura levar em conta APENAS OS SEUS interesses, apenas O SEU bem estar e o de mais ninguém.

A minha proposta está muito distante disto. A mulher que eu sugiro dar um pé na bunda do marido bêbado e violento, ao dar um basta na situação, não está pensando em se beneficiar em nada, não pretende levar vantagem em coisa alguma, apenas está querendo retirar um espinho que está encravado nela, causando-lhe dores intermináveis, do mesmo jeito que qualquer um de nós procuraríamos nos livrar de um pitbull que estivesse a nos morder, colocamos inseticida ou mosquiteiros em casa, para mosquitos não nos picarem, etc...

Ela pretende, também, acabar com os sofrimentos dos filhos, que também pegam porrada dele, são machucados por ele. Há um velho ditado que diz: "Antes só, do que mal acompanhado", e todos nós devemos observá-lo atentamente.

Mas não falo só de mulher que tem marido bêbado e violento não, falo também, da mesma forma, para homens que, em vez de ter esposa e companheira em casa, tem é uma praga aproveitadora, chantagista, que faz gato e sapato dele, pessimismo a toda hora, reclamações de toda ordem, pessoa fria, sem a menor disposição para carinho, afeto e compreensão pelas dificuldades que ele tem em conseguir os recursos para levar as coisas para dentro de casa.

Do mesmo jeito que existem homens que são pragas nas vidas de muitas mulheres existem também mulheres que representam um verdadeiro inferno na vida do homem.

O meu discurso é a favor da criatura humana, para que ela não sofra de graça, achando que tem obrigação de tolerar os desajustes de determinadas pragas.

Os cachaceiros não fazem o menor esforço em deixar o vício, porque vêem acontecer em casa sempre a mesma coisa: mulher calada, sempre fazendo a sua comidinha, sempre lavando e passando suas roupas, sempre mantendo a casa limpa pra ele vomitar de novo no chão, filhos todos calados, com medo dele, mulher com medo de pegar porrada... Vai mudar, por quê? se está tudo bem pra ele, se todo mundo aceita ele como ele é, a tendência é se acomodar. Retire a "empregadinha" dele, pra ver se a coisa não começa a mudar.

A mesma coisa é a mulher exploradora, que faz do marido o que quer, e o bestão não fala nada.

Portanto, meu amigo e minha amiga: Diante de gente agressiva, chantagista, violenta, viciada e problemática que só nos causam problemas, sofrimentos e dores de cabeça, ajamos com toda energia, todo rigor e toda frieza em dizer: "BASTA, NÃO TOLERO MAIS!!". Seja marido, mulher, pai, mãe, filho... seja lá quem for.

Liberte-se dessas algemas, o mais rápido possível.

Mais uma vez o aviso que já dei, inúmeras vezes para meus amigos e amigas:

Namorar gente ciumenta É BURRICEEEEEEE! 

"Ah, mas a natureza dela é assim, ela sempre foi ciumenta, desde pequena". Problema dela, que vá, ela, arcar com as conseqüências da sua doença, você não. Veja se tem graça, eu ter que tolerar beliscões, agressões, cenas ridículas nos ambientes, uma imbecil desequilibrada ficar questionando minhas amigas se têm algum caso comigo, porque na sua cabeça cheia de lama, eu não posso ter amizade com mulher nenhuma. Não admito mesmo!!!! Que vá cantar em outra freguesia.

Repito também que, diante de qualquer ameaça, do namorado ou amante ciumento, de que vai lhe matar, se você deixá-lo; abra a boca no mundo, bote a boca no trombone, avise a polícia, à vizinhança, aos parentes seu e dele, se possível vá naqueles programas policiais das rádios AM e abra a boca mesmo, pra ele ficar numa situação bem difícil e tomar vergonha na cara. NÃO TOLERE, NÃO CEDA, NÃO SE INTIMIDE e NÃO SE AMEDRONTE, porque é isto que ele quer.

Aí vem aqueles desajustados e inconseqüentes, pra dizer:

- "Éh, Alamar, parece que você nunca amou, você não sabe o que é a força do Amor".

Amor uma droga! Chamar ciúme de amor, envolver ciúme com amor é um dos maiores equívocos do ser humano. Só mesmo gente muito masoquista, muito besta, que não tem o menor amor por si mesmo para tolerar gente ciumenta, achando que está amando. Tolerar cenas ridículas de ciumentos, que lhe causam sofrimentos, depressões e angústias, é a mesma coisa que outorgar a si mesmo um diploma de DOUTOR EM BURRICE, emitido pela Universidade dos Imbecis.

Por que você tem que tolerar uma peste dessa?

Será que você é uma pessoa tão horrorosa, assim, que não tem competência para arrumar ninguém que presta? É esta a impressão que dá, quando nos vemos diante de alguém que se apega tanto a determinadas pragas e parece que fica com medo de "perder", talvez achando que não vai conseguir ninguém, inserindo-se no universo do QMS (Qualquer merda serve). Não vai perder coisa nenhuma, vai é SE LIVRARRRRRRR!!!!! É diferente.

Namorar religioso fanático, também é burrice!!!

É uma praga. Ainda mais daquele tipo de religioso que fica querendo, o tempo todo, convencer a você de que a igreja que ele freqüenta é a única certa, na face da Terra, e todas as outras opções, entre as MILHARES disponíveis, estão erradas. Aí, tudo o que acontece dentro do lar, a praga começa a dizer que a culpa é da sua crença ou da sua filosofia, embora nada tenha a ver. Se as crianças gripam, a culpa é da sua crença, se o feijão queima, é também culpa da sua crença, se a privada entope, a culpa é da sua crença.

Religioso fanático, invariavelmente, é falso moralista, sempre possuidor de alto índice de hipocrisia, com disposição para "pregar" condutas de vida e "moralidades" de fachada, apenas para OS OUTROS seguirem, eles não.

Portanto, é recomendável o não envolvimento com gente assim. Deixe que ele encontre alguma cabeça que pense conforme a dele, porque aí vai ser uma beleza, na vida dele e, mais beleza ainda, na sua, tendo se livrado. Imagine uma menina que adora colocar um biquini e ir para a praia ou piscina, num calor desgraçado, e vem um hipócrita qualquer, que se acha seu dono, movido pela hipocrisia e pelo falso moralismo, proibir que ela se vista daquela maneira, porque a sua medíocre cabeça vê imoralidade naquilo. CAIA FORA.

"Ame ao seu próximo, COMO A SI MESMO", este é o ensinamento maior. Quem não tem disposição para amar a si mesmo, certamente não terá condições de amar ninguém, já que a lógica diz que nós só podemos dar o que temos. Jamais uma caixa d'água vazia pode dar água na torneira.

Reflitamos, portanto, nestas sugestões... Veja bem: apenas sugestões.

Abração.

 

                                            Alamar Régis Carvalho

                                                     Analista de Sistemas e Escritor

  alamar@redevisao.net --- www.partidovergonhanacra.com --- www.redevisao.net  --- www.alamar.biz  

                                                    ORKUT "alamarregis"

 

Alamar Régis Carvalho - Analista de Sistemas, Escritor e Ator - E-mail: alamar@redevisao.net  orkut: "alamarregis"  www.redevisao.net, www.partidovergonhanacara.com e www.alamar.biz 

Conheça a DINASTIA - É uma proposta fantástica. Mas somente para pessoas racionais, não preconceituosas e que tem a inteligência e o bom senso de analisar as coisas, profundamente, antes de tirar conclusões. É coisa boa também, que pouca gente conhece. Algo legal, moral e fantástico.
 

O revolucionário prazer de pensar por si mesmo.

 
05/05/2009
  Faltam 19 dias para o final do mês e 41 para o final do trimestre. O que você já fez?
• Cadastre-se  
• Indique para um amigo
• Cancelar recebimento
 
• Só a verdade ofende.

• Feliz Aniversário Da Vinci!

• 10 anos.

 
Qual o problema de negó-cio que você precisa re-solver? Envie-nos a sua questão, ficaremos conten-tes em poder ajudá-lo.

 
Os seus comentários são sempre bem-vindos. Diga-nos o que você gostaria de ver no QUEBRA TUDO.  
BIZREVOLUCIONÁRIO, con- te as suas histórias para o mundo ouvir.  
O que uma empresa de serviços deve fazer para conquistar novos clientes? O que uma empresa de serviços deve fazer para vender melhor? Participe do curso COMO VENDER UMA EMPRESA DE SERVIÇOS PROFISSIONAIS, inscrições aqui.

O revolucionário prazer de pensar por si mesmo.

"A empresa como você conhece tem agora 120 anos de idade, eu não acredito que o modelo irá sobreviver os próximos 15 anos. Legalmente e financeiramente, talvez, mas não estruturalmente ou economicamente". Peter Drucker, 2001.

Querida(o) Amiga(o),

Você pode afirmar que trabalha em um lugar onde todos os funcionários agem como parceiros, empreendedores e donos da empresa?

A verdadeira revolução na maneira de trabalhar está em transformar todo funcionário em um verdadeiro profissional empreendedor. Nada menos que isso interessa.

Os Judeus tem um ensinamento muito bacana que diz o seguinte, "Se você tem apenas duas alternativas na vida, escolha a terceira", ou seja, sempre há uma terceira alternativa, sempre. Quando não há uma aparente terceira alternativa é porque fomos preguiçosos demais para pesquisá-la. Fomos pouco empreendedores.

Ter a consciência que sempre existe uma terceira opção nos permite recusar a escolher apenas entre duas opções geralmente opostas, mudar ou não mudar, seguir ou ficar parado, quebrar ou manter, subir ou descer, amar ou odiar e por aí vai.

Uma pessoa é trazida a julgamento por roubo a mão armada, o juiz lhe pergunta, "Você se considera culpado ou inocente?", "Eu estou com fome e desempregado", responde o cidadão.

A verdadeira revolução nas empresas está em conseguir desenvolver um grande número de funcionários com esse espírito de tomar decisões depois de analisar alternativas que aparentemente não existem.

A falta de empreendedorismo começa em casa e termina nas melhores escolas. Na faculdade, depois de muito estudar para entrar na melhor das melhores, o cidadão sai de lá com a atitude arrogante de quem já sabe o que é certo e o que é errado. A pior das escolas não produz nada que vale a pena mencionar, por outro lado, as melhores escolas estão criando tipos que dizem "Você tem um problema. Eu sou um especialista treinado, então cale a boca e escute o que eu tenho a dizer. "

O revolucionário prazer de pensar por si mesmo requer que você tenha uma filosofia de vida própria, forjada por você mesmo, independente dos livros que leu, professores que teve, e empresas que trabalhou. Tal revolucionário modo de viver não pode existir sem colocar em prática o seu revolucionário modo de pensar. Se você quer mudar alguma coisa, a vida prática precisa ser baseada em uma teoria, forjada na sua vida prática.

Trabalhos e tarefas complexas - praticamente tudo que move o mundo nos dias de hoje - não podem ser realizados com sucesso por funcionários transeuntes, esse tipo de gente que não se engaja de corpo e alma, cérebro e coração com o que faz. Somente quando o funcionário sente que é dono do seu trabalho atual e age como tal, é que ele conseguirá desenvolver tarefas complexas, e não precisará se preocupar com estabilidade ou sobre qual será o seu próximo trabalho.

E isso, depende apenas da vontade pessoal do funcionário, por mais que ele diga que não.

O programa Profissão Repórter da rede globo do último dia 28 de Abril de 2009, teve como tema central a crise econômica mundial. Entre várias histórias que o programa mostrou, a entrevista com Edgar Solano, empresário brasileiro da indústria de auto peças me chamou a atenção. O programa escolheu Edgar porque ele é um dos muitos empresários brasileiros sendo obrigados a demitir funcionários por falta de vendas. "Como você se sente ao demitir os seus funcionários", perguntou o programa, "Eu me sinto muito mal, é um sentimento terrível. Os meus funcionários são pais de família. Eu sei que nesse momento existem dezenas de crianças chorando porque seus pais estão desempregados".

"Eu não gosto nem de vir aqui (chão da fábrica da empresa), fico triste ao ver todo o investimento que fizemos parado sem dar resultado", e a repórter completou, "Esse tipo de coisa (demissão) já aconteceu com o senhor?", ele respondeu, "Não, nunca fui demitido. Eu entrei em uma empresa como office boy aos 14 anos, e sai de lá como sócio".

Todas as empresas do mundo precisam apenas de dois tipos de profissionais: vendedores de verdade, para aumentar as vendas, manter, reter, criar novos negócios; e profissionais operacionais de verdade, para fazer acontecer, entregar, cumprir as promessas que os vendedores fazem. Ponto.

Entenda por vendedores de verdade todo profissional que realmente está dedicado a gerar receitas para a empresa. Nem sempre são os próprios vendedores. Me refiro a todo profissional que se coloca na linha de frente da empresa, e traz negócios para a empresa em que trabalha.

Ou você vende ou você operacionaliza as vendas. O papel do gerente está sendo substituido gradualmente ou geometricamente pelos sistemas de ERP, CRM, Business Intelligence, Database, Comércio Eletrônico, Twitter, Blogs, E-mail Marketing e outras revolucionárias ferramentas de tecnologia.

Uma vez que a tecnologia esteja presente na empresa, aquele que operacionaliza as coisas não tem mais a necessidade de perguntar para o gerente da empresa se pode ou não dar descontos em produtos. Ele pergunta para o sistema.

Uma vez que a tecnologia esteja funcionando, o vendedor de verdade (seres humanos pensantes que estudam negócios) pergunta para o sistema onde quando e por que os produtos que vendeu serão entregues. Ele não precisa consultar os gerentes, os diplomatas da burocracia.

A figura do gerente se faz presente em lugares onde ainda ninguém parou para avaliar o verdadeiro valor que o cidadão traz para a empresa nos últimos meses ou ano. Quando alguém parar para avaliar, irá descobrir que se customizarmos o sistema em 5%, poderemos cortar 50% dos gerentes.

"Há um ano eu contratei um desenvolvedor de software na India para fazer o meu trabalho. Eu paguei a ele 12 mil dólares para fazer o trabalho que me pagam 67 mil dólares para fazer. Ele está feliz em ter o trabalho. Eu estou feliz porque tenho que trabalhar apenas 90 minutos por dia (eu ainda tenho que participar de reuniões, e gastar alguns minutos por dia falando com o meu colega na India), o resto do meu tempo o meu chefe pensa que eu estou controlando algo. Eles estão felizes porque consegui reduzir os custos e por isso não questionam nada além disso. Agora eu estou pensando em conseguir um segundo trabalho e fazer a mesma coisa.", de um post recente no fórum da BusinessWeek sobre o estado atual da gestão das empresas.

A Zappos, a mais badalada empresa de comércio eletrônico dos EUA, figurinha carimbada em vários posts no web site da BIZREVOLUTION (procure por ZAPPOS), tem a seguinte posição sobre a dupla Vendedores e Operações no modelo de negócios deles.

"A nossa visão é que em três anos, todos os nossos novos funcionários serão pessoas operacionais com pouca ou quase nenhuma experiência ou formação acadêmica. Nós vamos treinar todos eles, prover programas de mentores e fornecer tecnologia adequada para que dentro de cinco anos, eles possam se tornar líderes completos dentro da empresa". Tony Hsieh, Presidente da Zappos, Maio de 2009.

O que nós sabemos sobre gerenciamento da imaginação humana?

Quase nada.

Entretanto, existe um tipo de empresa, que troca imaginação por dinheiro todos os dias, de onde podemos aprender muita coisa. São as chamadas empresas de serviços profissionais. São os consultores, designers, agências de marketing, propaganda, auditores, profissionais da contabilidade, advogados, médicos, engenheiros, editoras, jornalistas que todos os dias precisam criar algo novo para trocar por dinheiro.

Como eles fazem isso sem deixar-se levar pelo que já sabem e viver dos louros do passado?

Eles fazem muitas coisas, entre elas: (1) eles trabalham em grupos, de dois, três, as vezes quinze, ou dezenas e centenas de pessoas. (2) Todas as atividades são organizadas por projetos de duração limitada. Ninguém é gerente de nada por muito tempo, todos precisam provar o seu valor a cada projeto realizado. Equipes são formadas e desmontadas informalmente. (3) Cada indivíduo é responsável direto por manter as suas habilidades up-to-date com o que existe de mais inovador no planeta. (4) Praticamente não existe gestão e controles top-down, a hierarquia é mínima.

Perguntas: Os funcionários que operam na base do preto no branco estão preparados para trabalhar nesse novo mundo colaborativo?

Os gerentes que tercerizam tudo que fazem estão preparados para trabalhar no mundo onde cada vez mais temos que pensar por nós mesmos?

"Os profissionais do século 21 precisam largar a premissa que diz que o mundo é previsível e mover-se para uma realidade onde as coisas são cheias de ambiguidades e irão continuar dessa maneira sem qualquer previsão de mudanças." Joan Caruso, BusinessWeek, hoje.

NADA MENOS QUE ISSO INTERESSA!

QUEBRA TUDO! Foi para isso que eu vim. E Você?

Ricardo Jordão Magalhães
Um Indivíduo em uma Empresa de Serviços Profissionais
E-Mail e Messenger: ricardom@bizrevolution.com.br
BIZREVOLUTION

EU SOU FÃ DO SER HUMANO! E Você?


 
  A definição de um slogan matador.
Definir um slogan "matador" para a sua empresa é um passo essencial no batalha pelos mercados. Ao escolher o slogan, você precisa ter certeza que os seus clientes irão se lembrar muito mais do que apenas da sua empresa, mas que irão associar o seu slogan com a marca da sua empresa, e não aos seus concorrentes.

Conheça aqui 4 dicas campeãs para escolher um slogan para a sua empresa:

1. Foco no benefício principal. Estabeleça uma conexão entre a mente dos seus clientes e a sua empresa ao focar naquilo que somente a sua empresa ou produto podem oferecer.

2. Faça um teste com clientes e prospects. Peça a opinião dos seus clientes mais próximos e prospects antes de lançar ao mercado.

3. Inclua o nome da sua empresa. Assegure que o seu cliente não apenas se lembre do seu slogan, mas também da sua empresa. Não é preciso necessariamente incluir o nome da sua empresa no slogan, mas no início, procure sempre promovê-lo ao lado do logotipo da sua empresa.

4. Mantenha-o por algum tempo. O sucesso do slogan requer comprometimento por vários anos. Dê tempo ao tempo. Em paralelo, incorpore esse slogan a todos os seus materiais de vendas e marketing. Se o slogan for marcante, registre-o em nome da sua empresa.

  Preço não é o mais importante!
A percepção que a maioria das empresas tem é de que é necessário ter o melhor preço para poder vender os seus produtos no mercado. É claro que preços elevados e fora da realidade talvez dificultem uma venda, mas ter preços competitivos não é o fator mais importante em um processo de compra.

A maioria dos clientes estão ansiosos por pagar mais pelo serviço que a sua empresa fornece. Se você investir o seu tempo em educar os seus clientes antes de fazer uma venda, e continuar a atendê-lo depois de vender, você estará habilitado a vender a preços mais altos do que os seus concorrentes menos capaz.

  Família no trabalho.
Você contrata familiares para a sua empresa? Se você fizer isso constantemente, você provavelmente irá criar um ambiente de trabalho onde somente familiares podem trabalhar.

Funcionários que não pertencem a sua família irão frequentemente reparar que existe um tratamento diferente para aqueles que são familiares e aqueles que não são. Se esse tratamento diferenciado existe ou não, infelizmente não importa muito nessa situação. O que ficará percebido para todos já é o suficiente para estragar os relacionamentos que existem na sua empresa.

Você pode minimizar esse efeito ao não supervisionar diretamente pessoas da sua família. Se você puder criar alguma distância entre você e os seus familiares, você pode ter uma melhor chance de ter um ambiente de trabalho mais harmonioso.

 

 
 

Presidente da TAM vira blogueiro.
O presidente da TAM, comandante David Barioni, aderiu ao blog como meio de comunicação interna com os 24 mil funcionários da companhia aérea. Do IDGNow em português
Clique aqui para ler sobre liderança de mudanças

 

Blogueiros VERSUS Jornalistas.
O filme Intrigas de Estado (State of Play) já tem data de estréia no Brasil. Será no dia 12 de junho. Primeiro lugar em bilheteria no Reino Unido e segundo nos EUA, o filme, tem ganho repercussão por abordar aspectos tão atuais. Do blog do Tiago Dória em português
Clique aqui para ler sobre revoluções

 

MBAs VERSUS Empreendedores.
Quem está na frente quando o assunto é gerenciar a crise, ou mesmo vencê-la, aqueles que fizeram MBA ou aqueles que tocam a vida em frente na base do feeling e aprendizado diário? Da Harvad Business em inglês
Clique aqui para ler sobre gestão de crises.

 

 
   
 

Calendários integrados.
LuckyCal é uma ferramenta web que integra as diferentes agendas da sua vida, pessoal e profissional, além de integrar com colegas e amigos. Muito bacana, confira. Inédito por aqui. Em inglês

Clique aqui para conhecer a LuckyCal

 

Software para Controle de Carbono.
Você já tinha sido apresentado para um software que controla as emissões de carbono que a sua empresa emite? Pois então te apresento o Carbon Control, um software inovador que ajuda as empresas a controlar a emissão de carbono. Um novo software para uma nova era. Em inglês

Clique aqui para conhecer o Carbon Control

 

Terminou a espera no telemarketing.
Não existe nada mais chato do que esperar para ser atendido por um call center terceirizado, certo? Chegou Fonolo.com, um serviço que faz o trabalho de navegar pelo atendimento moroso de um call center. Show! Software para inglês ver, ainda não temos algo do tipo no Brasil. Em inglês

Clique aqui para conhecer o Fonolo

 

 
   
 

As marcas mais influentes do Brasil.
 Uma nova maneira de enxergar as marcas chega ao mercado. A consultoria Sart Dreamaker criou um ranking das 75 marcas mais valiosas do Brasil. Mas aqui não se trata de medir o valor financeiro delas, e sim, descobrir seu poder de influência na tomada de decisões e o quão emocionalmente conectados a elas estão os consumidores. Para os brasileiros, não há quem bata, nesses quesitos, Coca-Cola, Nestlé, Sadia, Natura, Rede Globo, Mc Donald's, Adidas, Danone, O Boticário e Brastemp. da ÉpocaNegócios em português
Clique aqui para ler sobre branding

 

O sem terra que produz.
 O argentino Gustavo Grobocopatel, dono da Los Grobo, avança no meio rural brasileiro com um modelo de negócios inovador - ele não é o dono das propriedades que cultiva. Da Exame em português
Clique aqui para ler sobre inovação

 

10 plugins todo site com Wordpress deveria ter.
 A grande vantagem do Wordpress sobre todos os seus concorrentes, inclusive o Typepad, é a quantidade de plugins disponíveis e mão de obra para customizar tantas opções. Aqui você encontra uma relação dos plugins indispensáveis para um web site moderno. Da Freelance Folder em inglês
Clique aqui para ler sobre tecnologia

 

 
   
  O comportamento do consumidor.
Este livro dá ênfase à estratégia de marketing, utilizando uma abordagem tanto teórica quanto orientada à aplicações, fornecendo um texto que explica os conceitos relevantes e oportunos nos quais se baseia o estudo do comportamento do consumidor. O material é complementado com exemplos para demonstrar como os conceitos comportamentais do consumidor são usados pelos profissionais de marketing na solução de problemas e no desenvolvimento e implementação de estratégias de marketing eficazes.Em Português

Clique aqui para comprar na Cultura

  A gestão da força de vendas.
Elaborado para refletir as inovações que afetam o papel do profissional de vendas, desde a crescente globalização dos negócios até clientes que usam a Internet para suas decisões de compra, este livro apresenta o que há de mais avançado sobre gestão de vendas. Os cases integrados ajudam os estudantes a compreender conceitos-chave por meio de situações e empresas reais. Ao longo do livro é indicado em que medida a tecnologia tem impacto sobre as várias funções da gestão de vendas. Discussões ampliadas revelam como empresas internacionais organizam suas forças de vendas e demonstram como os melhores executivos de vendas estão se adaptando aos novos desafios. Em Português

Clique aqui para comprar na Cultura

  Marketing para o Século 21.
"Marketing para o século XXI" é um guia para o marketing, com conselhos que abrangem os desafios apresentados pela hipercompetição, a globalização e a internet. Um livro para quem quer se inteirar sobre marketing de banco de dados, de relacionamento, high-tech e de internet, entre outros campos de aplicação desta ciência. Em Português

Clique aqui para comprar na Cultura

 

Edições Anteriores - Cadastra-se - Indique a Um Amigo - Cancelar Recebimento

O QUEBRA TUDO é uma publicação semanal gratuita da BIZREVOLUTION. Ao contrário do que parece,
QUEBRA TUDO não significa destruir as coisas. QUEBRA TUDO significa MELHORAR O MUNDO! Fazer e
Ser a diferença para aqueles que nos cercam. Unir Propósito e Paixáo com Trabalho e Resultados.
Viver uma Vida de Valores e Ações. Deixar uma marca nesse planeta. Construir um país melhor para
as gerações que estão por vir e ajudar os outros a fazer o mesmo.
Se você acredita nesses ideais tanto quanto nós que somos apaixonados por eles, você irá
se identificar com o QUEBRA TUDO e com a BIZREVOLUTION. Bem-Vindo à REVOLUÇÃO!

Indique o QUEBRA TUDO para aqueles que tem a responsabilidade de fazer hoje uma
revolução pelas próximas gerações. Clique aqui para indicar o QUEBRA TUDO.

O QUEBRA TUDO é escrito por Ricardo Jordão Magalhães.
BIZREVOLUTION e QUEBRA TUDO são marcas registradas da BIZREVOLUTION.
Todos os textos são de autoria da BIZREVOLUTION. Antes de reproduzí-los, entre em contato conosco.


www.bizrevolution.com.br

Safe Unsubscribe
This email was sent to medeirosac@ibest.com.br by projetodavi@bizrevolution.com.br.

BizRevolution | www.bizrevolution.com.br | São Paulo | SP | Brazil

Economia | Os leões da crise e as bestas do apocalipse

         
  Os leões da crise e as bestas do apocalipse
   
A empresa vencedora neste século será aquela que conciliar qualidade em tudo o que faz e produz, com boas condições de trabalho para preservar seus talentos e focar na sustentabilidade.
   
         
     
 
Investimentos em tempos de crise
Qual a melhor alternativa para investir? Onde você deve deixar seu dinheiro? Confira artigo de especialista.
 
 
 
   
Brasil sente menos a crise
País obteve redução de 0,2% na taxa de desemprego e foi o que menos aumentou o risco-país.
 
 
 
   
Estudo aponta queda na indústria
IPEA conclui que setor pode sofrer redução de 4,5% em 2009, caso as exportações não se recuperem.
 
 
 
   
Comprometido o desempenho do varejo
Varejistas vivem momento crítico em que a viabilidade dependerá cada vez mais da sua capacidade de reduzir perdas.
 
 
 
   
   
  EVENTOS - HSM  
     
 
Próximo Evento
19 e 20 de maio de 2009
Fórum Mundial de Gestão de Empresas Familiares
BRASIL | São Paulo
 
     
  COLUNISTAS  
     
 
VENDAS 3.0: Uma nova visão para crescer na Era das Idéias
Como vender lenços em um ambiente instável
Por: Sandro Magaldi
 
MAGIA DA GESTÃO
A Síndrome de Donald e os padecimentos do faz-tudo
Por: Carlos Alberto Júlio
 
CABEÇA DE LÍDER
Forme outros líderes, não apenas seguidores
Por: Cesar Souza
 
GESTÃO DE PESSOAS
É tempo de atitude
Por: Robert Wong
 
O ENIGMA DA LONGEVIDADE
O poder grisalho: a vida começa aos 60
Por: Julio Sergio Cardozo